Deusa toda poderosa [Black lady goddess]

Deusa toda poderosa [Black lady goddess]

Dirigido por:

Chelsea Odufu

Gênero:

Ficção

Ano:

2020

Estreia:

15.Nov às 17h

Disponível até 15.Nov às 19h30

 

Duração:

26 minutos

País:

Estados Unidos

Este filme só pode ser assistido por visitantes de Brasil.

Compartilhe

Estamos no ano de 2040. O mundo acaba de descobrir que Deus é, na verdade, uma mulher negra. Os boletos da reparação histórica acabam de ser emitidos e devem ser pagos por todos os “ab-originadores”. Neste contexto afro-futurista conhecemos a história e os dilemas da jovem ativista Ifeoma Washington.

Direção: Chelsea Odufu
Roteiro: Chelsea Odufu, baseado em história de Chelsea Odufu e Emann Odufu
Produção: Emann Odufu
Produção executiva: Deirdre Odufu, Jackie Bowe, Marc Bowe, Chelsea Odufu
Elenco: Shanna Bess, Artrece Johnson, Tonya Pinkins, Amanda Colby Stewart, Michael Oloyede, Kanu Uwakaneme
Direção de fotografia: Lorena Duran, Ishell Vaughn
Montagem: Chelsea Odufu
Direção de arte: Akua Shabaka, Chelsea Odufu
Caracterização: Jennifer Udechukwu
Figurino: Chelsea Odufu
Trilha: Eli Fola Highclass, Hoodlum Byhaze
Casting: Hadiru Kamara

Veja mais filmes:

  • Tudo que é apertado rasga

    Na tentativa de forjar uma ferramenta capaz de operar o corte por justiça, Tudo que é apertado rasga retoma e intervém em imagens de arquivo, reestudando parte da cinematografia nacional à luz da presença e agência do ator e da atriz negra.

    saiba mais
  • Lúcia no céu com semáforos

    Um ser que só tem existência corporal, um objeto usado para satisfazer necessidades e desejos. Na tela, Lúcia preserva apenas um olhar distante que esconde gritos, medos e explosões. É sempre ostracizada e silenciada pela sociedade sexista que em nenhum momento considera sua opinião e desejos. Lúcia é o relato silencioso da mulher associado a um papel ou função sem o direito de ser, de pensar ou de expressar opiniões.

    saiba mais
  • Ar condicionado

    Ar Condicionado é uma jornada de mistério e realidade, uma crítica sobre classes sociais e como vivemos em conjunto nas esperanças verticais, no coração de uma cidade que é passado-presente-futuro.

    saiba mais
  • Dorivando Saravá, o preto que virou mar

    Preto – Obá – Homem que virou mar. Ele foi o primeiro a cantar os Orixás e a introduzir o Tempo do Candomblé na música popular brasileira. Desafiou a própria morte ao se entregar nos braços de Iemanjá. Obá de Xangô consagrado que era, Dorival Caymmi não morreu: virou mar. Priorizando uma abordagem poética, o

    saiba mais