Dorivando Saravá, o preto que virou mar

Dorivando Saravá, o preto que virou mar

Dirigido por:

Henrique Dantas

Gênero:

Documentário

Ano:

2019

Estreia:

14.Nov às 19h

Disponível até 15.Nov às 16h

 

 

Duração:

86 minutos

País:

Brasil

Compartilhe

Preto – Obá – Homem que virou mar. Ele foi o primeiro a cantar os Orixás e a introduzir o Tempo do Candomblé na música popular brasileira. Desafiou a própria morte ao se entregar nos braços de Iemanjá. Obá de Xangô consagrado que era, Dorival Caymmi não morreu: virou mar.

Priorizando uma abordagem poética, o documentário apresenta Caymmi como uma maneira de ser, de existir, de pensar. Como se “dorivar” fosse um verbo que hoje o povo brasileiro precisasse urgentemente aprender a conjugar. Além disso, Dorivando saravá, o preto que virou mar re-centraliza a racialidade do compositor e analisa sua obra a partir de perspectivas negras.

Direção: Henrique Dantas
Roteiro: Henrique Dantas
Entrevistados: Gilberto Gil, Tom Zé, Matheus Aleluia, Jussara Silveira, Tiganá Santana, Arlete Soares, Adriana Calcanhotto, BNegão, João Donato, Lucas Santana, Marina De la Riva, Paloma Amado, entre outros.
Coprodução: Canal Curta/Prodav 2
Produção: Henrique Dantas
Produção executiva: Nena Oliveira, Henrique Dantas e Mariana Vaz
Direção de produção: Marcello Gurgel
Empresa produtora: Hamaca Produções Artísticas
Montagem: Henrique Dantas, Luciana Queiroz
Direção de fotografia: Pedro Semanovisch, Thais Taverna, Andrea Cebukin, Hamilton Oliveira, Alberto Ianuzzi
Direção de arte: Henrique Dantas
Mixagem e edição de som: Beto Santana
Som direto: Marcello Benedictis

Veja mais filmes:

  • Tudo que é apertado rasga

    Na tentativa de forjar uma ferramenta capaz de operar o corte por justiça, Tudo que é apertado rasga retoma e intervém em imagens de arquivo, reestudando parte da cinematografia nacional à luz da presença e agência do ator e da atriz negra.

    saiba mais
  • Lúcia no céu com semáforos

    Um ser que só tem existência corporal, um objeto usado para satisfazer necessidades e desejos. Na tela, Lúcia preserva apenas um olhar distante que esconde gritos, medos e explosões. É sempre ostracizada e silenciada pela sociedade sexista que em nenhum momento considera sua opinião e desejos. Lúcia é o relato silencioso da mulher associado a um papel ou função sem o direito de ser, de pensar ou de expressar opiniões.

    saiba mais
  • Ar condicionado

    Ar Condicionado é uma jornada de mistério e realidade, uma crítica sobre classes sociais e como vivemos em conjunto nas esperanças verticais, no coração de uma cidade que é passado-presente-futuro.

    saiba mais
  • Deusa toda poderosa [Black lady goddess]

    Estamos no ano de 2040. O mundo acaba de descobrir que Deus é, na verdade, uma mulher negra. Os boletos da reparação histórica acabam de ser emitidos e devem ser pagos por todos os “ab-originadores”. Neste contexto afro-futurista conhecemos a história e os dilemas da jovem ativista Ifeoma Washington.

    saiba mais