Ruim é ter que trabalhar

Ruim é ter que trabalhar

Dirigido por:

Lincoln Péricles

Gênero:

Documentário

Ano:

2015

Estreia:

12.Nov às 19h

Disponível até 14.Nov às 14h

 

 

Duração:

10 minutos

País:

Brasil

Compartilhe

Este filme faz parte do programa de curtas “A cor do trabalho”. A programação foi pensada e construída como um convite ao público para assistir a todos os curtas na sequência, como numa única sessão. Contudo, caso prefira você pode assistir a Ruim é ter que trabalhar isoladamente: na tela de reprodução, basta navegar na playlist.

Alguns dias antes da copa do mundo no Brasil, um operário reflete sobre seu trabalho.

Direção: Lincoln Péricles
Roteiro: Lincoln Péricles, Adriano Araújo
Produção: Lincoln Péricles
Elenco: Adriano Araújo
Direção de fotografia: Adriano Araújo, Lincoln Péricles
Som (captação, edição e mixagem): Lincoln Péricles

 

 

Veja mais filmes:

  • A última gota de óleo [Midnight oil]

    A última gota de óleo (Midnight Oil) narra os últimos dias da mais controversa refinaria na Filadélfia, Estados Unidos. Após 150 anos em funcionamento, a PES Rephinery atravessou uma explosão de proporções catastróficas em junho de 2019. Construído em primeira pessoa e filmado com um celular, o documentário é um relato do diretor estreante e trabalhador da refinaria Bilal Motley. Motley tenta reconciliar sentimentos como amor e vínculos afetivos pelos seus irmãos e irmãs que trabalham na PES com o seu despertar acerca das comunidades não-brancas que vivem ao redor da refinaria e que lutam por seus direitos.

    saiba mais
  • Dízimos e oferendas [Tithes and offerings]

    Um pastor queniano fajuto acidentalmente faz um milagre real.

    saiba mais
  • Tudo que é apertado rasga

    Na tentativa de forjar uma ferramenta capaz de operar o corte por justiça, Tudo que é apertado rasga retoma e intervém em imagens de arquivo, reestudando parte da cinematografia nacional à luz da presença e agência do ator e da atriz negra.

    saiba mais
  • Lúcia no céu com semáforos

    Um ser que só tem existência corporal, um objeto usado para satisfazer necessidades e desejos. Na tela, Lúcia preserva apenas um olhar distante que esconde gritos, medos e explosões. É sempre ostracizada e silenciada pela sociedade sexista que em nenhum momento considera sua opinião e desejos. Lúcia é o relato silencioso da mulher associado a um papel ou função sem o direito de ser, de pensar ou de expressar opiniões.

    saiba mais