Missão

O Instituto NICHO 54 atua na formação de jovens profissionais negros do audiovisual. Nosso objetivo é fomentar a representatividade racial, incorporando perspectivas de gênero, classe e orientação sexual, atuando na estruturação de carreiras de homens e mulheres negras em posições de liderança criativa, intelectual e econômica.

Trabalho

A nossa atuação está estruturada na comunicação contínua entre três pilares:

  • _Formação, que compreende a capacitação para jovens profissionais exercerem distintas funções na cadeia do audiovisual e o fomento de cultura cinematográfica para os agentes desse ecossistema.
  • _Curadoria, cuja ênfase está na formação do olhar e de disputa do imaginário. Nossas ações exercitam o olhar tanto na programação de filmes para o público em geral quanto na oferta de oficinas e vivências curatoriais para jovens profissionais negros.
  • _Mercado, com ações de estímulo à aproximação entre profissionais e a indústria, bem como atuando na sensibilização de agentes contratantes e realização de ambientes de mercado para projetos de realizadores negros.

Quem somos

O NICHO 54 foi fundado por Fernanda Lomba, Heitor Augusto e Raul Perez, que também são os atuais diretores do instituto:

Fernanda Lomba: produtora executiva com atuação no mercado desde 2014. Diretora de produção e produção executiva para diversos documentários brasileiros, e atualmente se dedica à produção executiva criativa de projetos de ficção para TV e Cinema. Tem presença e atuação frequente em mercados nacionais e internacionais.

Heitor Augusto: curador, crítico e pesquisador. Curador de Cinema Negro: Capítulos de uma história fragmentada (FestCurtasBH 2018), mais extensa retrospectiva sobre a criação negra no cinema. Por meio de projetos curatoriais, artigos, cartografias e traduções, tem contribuído para um tensionamento das hierarquias da(s) história(s) do cinema. Saiba mais aqui.

Raul Perez: executivo de comunicação e roteirista. Atuou como Coordenador de Comunicação da Spcine de 2014 a 2019. Cursou Jornalismo na PUC-SP e Universidade de Coimbra. É diretor do documentário Quando Sinto que Já Sei, exibido na UNESCO (França) e lançado em 180 sessões simultâneas auto-organizadas em mais de 12 países. Saiba mais aqui.

AçÕes

Doze projetos de criadores negros e negras em estágio inicial de desenvolvimento, em formato de longa e série, passam por mentoria e master classes com profissionais experientes do setor audiovisual durante o Nicho Novembro 2020.

O laboratório recebeu os apoios dos parceiros: Globo Filmes (R$ 50 mil); Projeto Paradiso (R$ 5 mil + inclusão na rede de talentos do Projeto Paradiso); DocSP (participação nas rodadas de negócio na edição 2021 do DocSP); Roteiraria (Bolsa integral no curso de Formação de Roteiristas 2021); Quanta Post (consultoria em pós-produção para projeto de desenvolvimento); Aspas Audiovisual (tradução para inglês ou espanhol de roteiro de ficção ou argumento de documentário); Uno Filmes (desenvolvimento de design gráfico para a apresentação comercial do projeto ao mercado); Olivieri Advogados (Bolsa para o curso “Planejamento de Projetos Culturais” na plataforma HUB Cultural + 10 horas de consultoria jurídica)

Uma série de encontros virtuais para discutir direito ao trabalho, mercado e política a partir da perspectiva de profissionais negros e negras do audiovisual brasileiro.

Transmitidos ao vivo pelo Facebook do instituto e disponibilizado posteriormente para o público em geral, os sete encontros abordarem as seguintes carreiras: Pós Produção (com Juliana Barauna e Marcelo Rodriguez), Direção de Arte (Jamaica Santarém e Michelly Thomaz), Roteiro (com Jaqueline Souza e Marton Olympio) Crítica (com Bruno Galindo e Kênia Freitas), Direção de Fotografia (com Flávio Rebouças e Lilis Soares), Direção (Everlane Moraes e Glenda Nicácio) e Produção Executiva (Emerson Dindo e Joelma Gonzaga).

As conversas podem ser assistidas aqui.

Nicho Novembro foi evento de lançamento do Nicho 54. Seguindo a vocação do instituto, o Nicho Novembro 2019 combinou formação do olhar, compartilhamento de conhecimento e interlocução com o mercado. A programação, inteiramente gratuita, contou com:

  • Mostra “Amor Negro Herói”: exibição de 16 filmes entre curtas, longas e médias metragens, espalhado por oito sessões. As sinopses e informações de todos os filmes podem ser acessadas aqui.
  • Quatro workshops integrados em dois dias de formação com: Alberto Pereira Jr (Trace Brazuca), André Mermelstein (Diretor de comunicação da Discovery), Everlane Moraes (diretora e roteirista, Pattaki) e Vera Egito (roteirista e cocriadora de Todxs)
  • Masterclass com Maria Angêla de Jesus, diretora de produções originais da Netflix no Brasil, e Ana Julia Travia, diretora e roteirista de Sample.
  • Conversa com o Instituto – Encontro com os cofundadores
  • Celebração – Quintal do Centro – Nicho 54 | Afrojam